Vinagre

Vinagre

O vinagre, à semelhança do vinho, possui antioxidantes e flavonóides, substâncias que estão associadas à redução no risco de desenvolvimento de doenças crónicas, como as cardiovasculares. Além disso, o vinagre acentua o sabor dos alimentos, podendo reduzir a utilização de sal, sendo desta forma uma aliado no combate à hipertensão arterial.
Vinagre quer dizer vinho agre ou azedo, e já foi utilizado como anestésico e na conservação de alimentos.
O vinagre é resultado de uma dupla fermentação, primeiro alcoólica e depois acética.

Temos hoje em dia uma vasta oferta de vinagres:

  • O vinagre de arroz é popular como vinagre japonês, resultado da fermentação
    deste cereal. Tem um sabor suave e um pouco doce. É ideal nos pratos orientais,
    na modalidade chinesa e japonesa.
  • O vinagre balsâmico conserva muitas substâncias antioxidantes das uvas,
    como os flavonóides, ligadas com a diminuição do risco das doenças
    cardiovasculares. Esse tipo é mais denso, com sabor agridoce e aroma de
    madeira. É indicado o uso nas saladas, e nos molhos frios em carnes e legumes.
    Um estudo realizado em 2006, pelo Prof. Dr. Robert Vogel da Universidade
    Maryland, nos Estados Unidos revela que o balsâmico, associado ao azeite,
    ajuda a reduzir a repentina inflamação e oxidação das artérias, pois preservam a
    elasticidade e flexibilidade das artérias independente dos níveis de colesterol.
  • O vinagre de maçã surge da fermentação da fruta. Dessa maneira algumas
    substâncias são mantidas, como a pectina, a fibra solúvel que contribui para a
    digestão e em eliminar as toxinas. Há teor de vitaminas e minerais. Esse é o
    menos ácido com sabor um pouco doce. Muito indicado para saladas, molhos, e
    conservas.
  • O vinagre de vinho branco possui as propriedades boas da uva, como o vinagre de vinho tinto. Este é proveniente da fermentação acética do vinho.
    Tem sabor leve e frutado, muito recomendado em saladas, molhos frios,
    conservas, como no processo de marinar as carnes brancas, principalmente o
    peixe.

Pessoas com sensibilidade gástrica, devem controlar a sua utilização de modo a
não piorarem os sintomas como azia ou gastrite.

 

Carolina Fontes
Nutricionista
Membro Activo da Ordem dos Nutricionistas – 1585N