Testemunho: António Fernandes

Testemunho: António Fernandes

O desporto esteve praticamente sempre presente na minha vida. Em novo, passei ao lado (a
milhas) de uma carreira futebolística. Joguei algumas vezes andebol, mas não me adaptei.
Tentei o basquetebol, mas era demasiado pequeno. Como ciclista … bem… “ter de dar ao
pedal” não fazia o meu género, de forma que a corrida foi onde me senti melhor, ia atrás dos
outros…. Muitos anos depois dei um salto… não, não foi um salto em comprimento, apenas me
tornei membro de um ginásio. Estava nas minhas quintas, pois nunca me cansava de
frequentar o jacúzi que lá havia, e quando tinha apetite para mais alguma coisa… ia tomar
banho. O tempo foi passando e eu estava a ficar um atleta, a barriga crescia a bom ritmo.
Mas chegou um dia em que dei por mim a pensar que precisava de mudar de vida, pois a
profissão (de informático) tem movimentos muito limitados e os trapézios começaram a
ressentir-se. Nessa altura parava várias vezes por dia para tomar café, mas na verdade a
intenção era “relaxar” os músculos e não pelo café em si.

A corrida, como era onde me sentia melhor, foi o meu escape durante algum tempo. Depois
veio outro ginásio, já sem jacúzi, que frequentava na hora do almoço, pois era o tempo que
tinha disponível na altura. Os resultados começaram a aparecer, mas já não chegava. Precisava
de mais, sair da rotina, deixar a monotonia e superar-me.

No início de 2016 ouvi falar em calisténicos. Lá fui eu googlar para ver que raio era aquilo. Ui…
loucura, a par da palavra “calisténicos” aparecia quase sempre “crossfit”, fiquei fã. Procurei em
Guimarães por espaços onde existisse calisténicos/crossfit e deparei-me com uma “box”, que
segundo o anuncia era a “1ª Box CrossFit Afiliada em Guimarães”. Ia de mal a pior, que raio
vou fazer numa “caixa”, pensei eu. Mas fui ver. Há porta leio “5.7 CrossFit”. Estava no local
certo. Entrei e… bem… o resto são cantigas, porque já devem ter adivinhado. Não? Então cá
vai…

Fiz a aula experimental passados uns dias. Profissionalismo, atenção ao pormenor dos
movimentos, explicação da técnica, passos da aula explicados, gostei. Tenho de voltar, pensei.

Tornei-me membro nessa semana.

Desde então, as minhas manhãs deixaram de ser monótonas. De segunda a sexta, pelas 6.00
horas, o despertador que dorme ao meu lado chama por mim. Uma barba desfeita e pequeno
almoço reforçado depois, estou pronto para seguir viagem. Ás 7.15 agarro-me ao “pvc”, como
se fosse a melhor coisa do mundo. A equipa da manhã começa o aquecimento.

De equipa, passou a ser família.

Sempre com o acompanhamento do coach do dia, que tanto pode ser o Paulinho, como o
Marcos e quando menos se espera com a (Se)Vera, os exercícios são executados segundo o
plano do dia (WOD). Atento a tudo e a todos, o coach exemplifica os exercícios que são os mais
variados, e monotonia é coisa que não entra na box. Cada atleta faz o exercício segundo o seu
nível de progressão (cada exercício tem normalmente 3 níveis, para que cada atleta possa
executar todos os exercícios, independentemente do nível em que se encontra), e a todo o
momento é encorajado, quer pelo coach, quer pelos restantes atletas, pois o importante é
chegar ao fim com missão cumprida.

Jacuzzi? Nem lembra.

Muitos dirão, é muito cedo para levantar. Caro leitor, é só preciso ter vontade. E se não existir
vontade, a box está aberta até tarde. Não há desculpa. O primeiro passo é ir ver o espaço box
5.7 CrossFit.

Porquê esta box e não outra? Simples. Dificilmente encontrará a combinação de atletas /
coaches com o mesmo dinamismo e companheirismo. Nesta box existe entreajuda. Não
existem atletas de primeira e segunda. Cada atleta é tratado e ajudado dependendo do nível
dos exercícios em que se encontra. Por estas e outras razões, a box 5.7 CrossFit faz a diferença.
Quanto a mim, fiz um upgrade recente á minha idade e estou já na versão 4.7, que, diga-se de
passagem, é um record pessoal. Fisicamente noto uma evolução (muito acima de quando
frequentava o jacúzi) e progressão contínuas. Para que o efeito fosse o desejado, alterei
também a minha alimentação equilibrando o “prato”, porque só o exercício ás vezes não
chega e no meu caso não chegava.

Sinto-me bem fisicamente. Continuo com a mesma profissão, mas as dores permanentes
desapareceram. Quando não posso ir, sinto a falta da box, dos momentos sempre diferentes,
mas sempre motivantes para o dia que começa.

A todos os atletas que fazem da box 5.7 CrossFit aquilo que ela é, agradeço todos os
momentos que passamos juntos dentro e fora das atividades regulares. Muitos mais virão, mas
os que já cá estão, fazem a diferença.

Ao coach Paulinho, um enorme abraço por me aturar de terça a quinta, por me fazer vencer os
desafios que por vezes não consigo ultrapassar e por toda a amizade que criamos.
Para a (Se)Vera, que cumpre o prometido e é um poço de força e inspiração, um beijinho e os
meus mais sinceros agradecimentos pela força e motivação.

Ao coach Marcos, que torna as segundas e sextas tão diferentes. Pela paixão pelo ensino, pela
dedicação a cada atleta, um grande abraço e que tenha os maiores sucessos como principal
mentor desta box, que tornou a minha vida muito melhor.

A todos, bem hajam.

António Fernandes